Piet Hein Eek – patchwork de madeira

Design

A partir do reaproveitamento de retalhos de madeira, Piet Hein Eek desenvolveu, ao longo dos últimos 15 anos, um modelo admirável de produção de móveis. Pela combinação de trabalho artesanal e produção em série, o designer holandês oferece uma alternativa ao consumo de massa, com respeito pelos recursos naturais e uma assinatura estética muito peculiar.

Avesso à indústria de massa e incomodado pelo consumo exagerado, o designer preocupa-se em criar produtos que sejam atemporais, durem por muito tempo e que se mantenham belos mesmo com o efeito dos anos. Orientado pela máxima “the more time it takes, the better” (quanto mais tempo levar, melhor), Hein Eek defende a baixa produtividade como fator de valorização dos seus produtos.

Ao eleger como matéria-prima materiais que seriam normalmente descartados, o designer elabora formas de manipulá-los e encaixá-los, como se cada peça fosse um grande quebra-cabeças, um mosaico de componentes reaproveitados. O resultado destaca-se pela riqueza estética da variedade de cores e marcas do tempo, aliada ao excelente acabamento artesanal.

“Essencialmente, eu amo os materiais e tento fazer produtos que vão durar e não são influenciados pela moda”, atestou ao Supercyclers – um coletivo internacional de designers, com foco na criação de produtos e práticas sustentáveis, que visa transformar a percepção sobre o reuso de materiais como alternativa ao desperdício.

Hein Eek não se considera conceitual. Sua concepção partiu da vontade de contrariar o modelo vigente, “apenas para virar o mundo de cabeça para baixo”. Desde 1993, muito antes do boom de design sustentável, o holandês já produzia suas peças pelo reuso, pela simples convicção e respeito ao material.

Original e já bastante amadurecido, o trabalho apoia-se na habilidade artesanal e no desenho como ferramentas que, combinadas ao caráter do material, produzem um resultado lógico. A técnica desenvolvida por Hein Eek replica com a madeira o modelo consagrado do patchwork (trabalho com retalhos). Em ambos os casos, as variações no tamanho e padrão dos retalhos determinam um mosaico visual rico e dinâmico.

Desde o início de sua prática e produção, com uma forma de trabalho bem transparente, Hein Eek buscou construir uma marca, para que sua atividade pudesse ser identificada. O designer se dedicou em projetos customizados até 2006, quando a sobrecarga e os prazos apertados determinaram uma mudança na forma de trabalho, passando a produzir mais unidades de cada peça. Outros materiais, como o  metal, também são utilizados sob os mesmos preceitos.

Assim como  o conceito de “slow food”, na gastronomia, surge como contraponto  ao modelo comercial predominante, Hein Eek pratica uma espécie de ‘slow design’, valorizando e estendendo o tempo despendido no processo – que varia entre 20 e 30 horas para cada peça. O trabalho de Piet Hein Eek é bastante amplo, quem quiser ver mais pode acessar o site do designer.


ÚLTIMAS DE Design

mesa herman

Herman Miller lança série com peças modulares

mesa cafe2

Arrume a mesa do café como nos melhores restaurantes

21.contrast6-a

Luminárias inovadoras feitas com canos de metal

INSTAGRAM @ARKPAD